Want to keep in the loop on the latest happenings at Beit Lubavitch Rio De Janeiro. Subscribe to our mailing list below. We'll send you information that is fresh, relevant, and important to you and our local community.
Impresso de BeitLubavitchRio.org
ב"ה

Por que Kasher?

Segunda-feira, 09 Novembro, 2020 - 17:53

 pLml9488862.jpg

VOCÊ SABIA QUE TODO JUDEU COME KASHER?

E até mesmo quem não é judeu – também?...

Eu, pelo menos, não conheço ninguém que NÃO coma kasher...

Ele até pode comer kasher E não-kasher, mas come kasher...

 

O QUE É “ALIMENTAÇÃO KASHER”?

Alimentação kasher significa alimentação APROPRIADA – para a comunidade judaica.

Antigamente, todos os judeus do mundo só comiam alimentos kasher e nem pensavam em perguntar por que. Só quando os filhos começaram a se revoltar contra os pais é que o não-kasher passou a fazer parte de suas vidas. Curiosamente a situação inverteu-se. Hoje em dia, muitos judeus que nem pensam em revoltar-se contra seus pais e que orgulhosamente se identificam como judeus, não comem kasher. Há até quem questione: “Será que D’us realmente se importa com o que eu como?”

POR QUE KASHER?

Atualmente os nutricionistas reconhecem aquilo que o judaísmo sempre ensinou: você é o que você come. Sabemos que, o que comemos, será absorvido e transformado em nossa carne e sangue. Aquilo que não é kasher é nocivo para a alma divina, afetando a nossa sensibilidade espiritual. Elementos não kasher bloqueiam a nossa capacidade de absorver coisas Divinas e a nossa sensibilidade à santidade que emana da Torá e das mitsvot. Não é a toa que comunidades que mantêm um alto nível de kasher, em qualquer lugar do mundo, são comunidades judaicas vibrantes e fortes, em todos os sentidos (não necessariamente só no financeiro...).

KASHER TEM ALGO A VER COM HIGIENE, SAÚDE?

Na Torá, cuidar da nossa saúde e o Kasher são DUAS mitsvot distintas – dois mandamentos Divinos.

A razão é simples: nem tudo que é saudável é Kasher; e nem tudo que é permitido pelas leis do kasher será permitido pelas leis da saúde. D’us, o Criador do universo, nos ensina, na Torá, que precisamos das duas condições: ser saudável e ser Kasher.

Vejamos um exemplo: imaginemos que os nutricionistas desenvolvam um método de obter carne suína totalmente livre de bactérias, parasitas ou outros elementos nocivos, altamente nutritiva e de fácil digestão – nem por isso tal carne de porco “saudável“ passaria a ser kasher. Por outro lado, tomemos um pedaço de carne Kasher – se o deixarmos deteriorar, não deixará de ser Kasher; contudo não poderá ser consumido, uma vez que, de acordo com a Torá, seu consumo estará proibido pelas leis de saúde.

SE O KASHER É ALGO ESPIRITUAL, POR QUE NÃO BASTA “ABENÇOAR” OS ALIMENTOS E PRONTO?

Nosso organismo físico não está preparado para digerir e retirar os nutrientes de qualquer tipo de alimento – por exemplo: se você resolver comer capim isso não vai lhe alimentar, por mais que alimente satisfatoriamente uma vaca... Assim também, no campo espiritual, há situações em que a alma pode e deve utilizar a matéria, revelando a espiritualidade que está oculta dentro dela, e há alimentos, com centelhas Divinas, que a nossa alma não tem o poder de refinar adequadamente – que são os alimentos não-kasher.

Cada vez que alguém se alimenta, a comida é absorvida pelo corpo e transformada pelo mesmo em energia. Quando alguém utiliza seu corpo e a energia produzida por este alimento para cumprir uma mitsvá, com isto ele eleva espiritualmente o alimento. Por outro lado, se o alimento ingerido for não-kasher, mesmo que esta matéria e a energia produzidas forem utilizadas para o estudo da Torá e a prática de mitsvot, as centelhas do mesmo não serão elevadas, como uma espécie de “digestão espiritual não realizada”.

O povo judeu sempre considerou a vida num aspecto plural (a própria palavra chayim – “vida”, em hebraico – só existe no plural) na qual a matéria e o espírito se entrelaçam continuamente.

MAS, AFINAL DE CONTAS, KASHER É NUTRITIVO?

Deixemos o Dr. Keneth J. Storch, M.D. PhD em Bioquímica Nutricional do Massachussetts Institute of Technology (MIT) responder às suas próximas dúvidas:

Embora o Kasher seja um mandamento da Torá e não seja observado em função da saúde, a dieta Kasher cria uma excelente estrutura para uma alimentação sadia, através de suas três categorias: carne, laticínios e párve (neutro). Somos proibidos de combinar os grupos carne/ave e laticínios (ambos os quais têm alto teor não apenas de proteínas, mas também de colesterol). Mas podemos comer alimentos neutros, que incluem grãos integrais, favas, frutas e legumes, em qualquer refeição. Como resultado, podemos misturá-los e combiná-los (já que contêm os complexos carboidratos e nutrientes naturais recomendados pelos nutricionistas) tanto com alimentos de carne como com os de leite, para proporcionar uma dieta balanceada a cada refeição. E como este grupo párve compreende a mais ampla variedade na cadeia alimentar, pouco esforço é necessário para se obter uma boa variedade culinária com a dieta kasher.

E SERÁ QUE VOU TER QUE FICAR COMENDO VARENIKES, GUEFILTE FISH OU TCHULENT PELO RESTO DA MINHA VIDA? E O MEU COLESTEROL?

A dieta de qualquer povo, inclusive de uma população judaica, é determinada pelo que está disponível. Nossos ancestrais eram limitados em suas opções a alimentos cultivados na própria região onde moravam. E, se isto incluía um número significativo de gorduras saturadas, eles trabalhavam arduamente durante longas horas para queimá-las ou só as consumiam ocasionalmente (Shabat, Yom Tov, festas).

Nós, que geralmente desempenhamos pouco esforço físico, sentamos durante grande parte do tempo e temos a gordura acumulada no corpo para demonstrá-lo, temos à nossa disposição uma quantidade exagerada de alimentos. Não existem mais estações determinadas para a maioria das frutas e hortaliças. O que não se consegue no local, importa-se para o nosso deleite. Nossas aves, carnes e queijos vêm em embalagens esmeradas, e podemos conservá-los comestíveis por semanas a fio em nossos “freezers” ou geladeiras. Leite, sucos, pães - para não mencionar bolos, balas e biscoitos - estão disponíveis em quantidades ilimitadas. É possível perder-se neste vasto mar de opções. Mas existe uma outra maneira de encarar isso.

A variedade de alimentos à nossa disposição, hoje em dia, inclui não apenas a cozinha típica de nossos antepassados em particular, como a de virtualmente todas as outras populações judaicas que existem na atualidade. E aqui está a nossa vantagem. Usando nosso novo conhecimento de nutrição, podemos selecionar as combinações mais desejáveis de comidas tradicionais judaicas de todas as partes do mundo. Podemos também adaptar receitas favoritas de certos alimentos ricos, com alto teor calórico, substituindo alguns ingredientes por outros mais saudáveis. E graças aos processadores de alimentos, espremedores de frutas, microondas e outros dispositivos, podemos fazer tudo isso em tempo recorde.

KASHER E NUTRICIONISMO OU “VIGILANTES DO PESO” OU DIETA VEGANA - É POSSÍVEL?

Os consumidores de alimentos Kasher têm ainda outra vantagem. Como nosso dispêndio de alimentos se faz dentro da estrutura da Halachá, constituímo-nos o sonho de todo nutricionista. Somos acentuadamente conscientes no momento de nos alimentarmos. Paramos para recitar uma bênção antes de colocar qualquer coisa kasher em nossas bocas. Aguardamos períodos prescritos entre comer alimentos de carne e derivados de leite. Nossa própria noção de alimento está vinculada à ideia de limitação e autodisciplina, uma vez que certas categorias de alimentos estão fora dos domínios de nossa possibilidade. Acrescente-se o valor que atribuímos à vida e à saúde, e tem-se o candidato ideal para o incremento da saúde através da modificação dietética.

 
Comentários sobre: Por que Kasher?
Não há comentários.