Want to keep in the loop on the latest happenings at Beit Lubavitch Rio De Janeiro. Subscribe to our mailing list below. We'll send you information that is fresh, relevant, and important to you and our local community.
Impresso de BeitLubavitchRio.org

Uma Rosa Entre Espinhos

Quarta-feira, 07 Setembro, 2016 - 21:35

 

Uma Rosa Entre Espinhos

            

por Lazer Gurkow

 

Ao descrever nossa relação com o Altíssimo, o rei Salomão, o mais sábio de todos os homens, escreveu: "Eu sou do meu amado e meu amado é para mim. Como uma rosa entre os espinhos".1 Uma afirmação curiosa. A primeira metade do versículo é perfeita e simétrica. Eu amo o Et-rno, e Ele me ama. Bonito. Poderoso. Edificante. Mas o que é isso sobre uma rosa entre os espinhos? Como é que isso se encaixa?rose.jpg

 

Sobre o tema da rosa, por que é que a bela rosa só cresce entre os espinhos? Alguém pode explicar por que tanta beleza reside nos arbustos mais espinhosos?

 

Beleza áspera

Era uma dura manhã nublada e cinzenta, enquanto eu dirigia através de campos verdejantes e colinas rolantes. Eu mal podia ver através da névoa e lamentei a minha má sorte de estar fora nesta manhã feia. Então notei um silo em pé na névoa fria; sua postura ereta projetava uma imagem de resistência pura e determinação inflexível.

 

Realidades cruas e duras não são desprovidas de beleza, refleti, e comecei a olhar ao meu redor através de um novo conjunto de lentes.2 Eu olhei através da névoa e tomei nota das características familiares da terra. Os estábulos, pista de corrida, silos e fazendas eram todos familiares para mim, mas na névoa fria, eram de alguma forma diferente. Eles tomaram uma nova dimensão  –  uma dimensão de caráter e força.

 

Foi então que eu finalmente entendi por que os espinhos pertencem entre as rosas. À primeira vista, parece uma contradição, mas quando você olhar através do véu, você acha que os espinhos não são apenas pequenas plantas espinhosas, eles também são símbolos de força e proteção. A beleza nem sempre vem embalada  em pétalas macias e curvas atraentes; às vezes ela se reflete nas linhas fortes de caráter e determinação.

 

A rosa é o símbolo do piedoso, mas o espinho representa o penitente. Não é apenas o reto e justo que têm lugar no mundo do Criador; pecadores e penitentes têm lugar também. Os pecados são espinhosos, e eles ferem a alma, mas o pecado também abre as portas para o arrependimento, a determinação e a reconciliação  –  a mais dura, mas também a mais alta forma de beleza. A rosa inspira; o espinho decide. A rosa oferece amor; o espinho, força. Vistos sob o prisma adequado, a rosa e o espinho são como a luva ajustada na mão.

 

"Eu sou do meu amado e meu amado é para mim." No início, pensamos que era uma declaração simétrica; após essa reflexão, já não temos tanta certeza. Meu amado é perfeição, eu sou falível, corruptível e às vezes até desprezível. O Rei Salomão conclui seu verso poético com as palavras:  "como uma rosa entre os espinhos". Meu amado pode ser como uma rosa, e eu, como um espinho, mas como uma rosa entre os espinhos, devemos estar juntos.

 

O sorvete de três bolas

Vamos aprofundar um pouco mais e ver se podemos encontrar quaisquer esclarecimentos adicionais a partir da metáfora rosa-espinho.

 

Feche os olhos e imagine um sorvete de 3 bolas num cone. Envolto numa cobertura deliciosa de caramelo, as 3 bolas são de seus sabores favoritos. O cone está empilhado com coberturas extras, e o sorvete derrete na sua língua. Você anda lá fora e relaxa sob o sol quente, enquanto os pingos gelados do sorvete descem sobre o cone e cobrem os seus dedos com doçura.

 

Pare agora e se pergunte como o sorvete veio a existir. Se você, caro leitor, tem uma ideia de desejo de sorvete, você agora provavelmente estará salivando. Pare agora e se pergunte como o sorvete veio à existência. Se você é um crente, você vai dizer que ele foi criado pelo Et-rno. Você vai concordar que uma centelha divina reside no açúcar e creme e que essa centelha cria e recria o sorvete a cada momento.3

 

Permita-me uma pergunta: Será que você considerou essa centelha divina quando você leu a minha descrição do sorvete? Quando a imagem do cone de três bolas criou raízes em sua mente e a tentação começou a se formar, você estava atraído para a sua centelha divina? Estava você alerta para o fato de que era realmente a centelha divina no sorvete que estava chegando em você?

 

Se você é como eu, eu suspeito que a resposta é não. No entanto, quando você pensa sobre isso, você vai ver que foi a centelha divina que realmente lhe fisgou.                     Lembremo-nos de que o seu corpo foi atraído para o refrescante, delicioso sorvete derretendo-se, mas o seu corpo não é uma coisa viva, é tão-somente um recipiente. É a sua alma que dota o seu corpo com a vida. Se o seu corpo sentiu a atração, então ela deve ter começado com a sua alma. O que atraiu a sua alma? A sua alma gosta de sorvete também? Não. É a centelha divina dentro do sorvete que atrai a sua alma.

 

Claro que sua alma pode encontrar essa centelha divina em uma insípida fatia de pão de espelta tão facilmente como no sorvete. Para sua alma, o alojamento da faísca, bem como as particularidades do prato, são irrelevantes. Essas preocupam somente seu corpo. Seu corpo escolheu o sorvete, sua alma foi puxada para a centelha divina dentro dele.

 

Todo prazer neste mundo escorre da fonte de todos os prazeres – O Et‑rno

 

Agora considere isto: Todo prazer neste mundo escorre para baixo a partir da fonte de todos os prazeres – O Et‑rno. Assim como o corpo ingere alimentos nutritivos, digere, extrai o alimento e expulsa o lixo, o mesmo acontece com a criação em geral. O Et‑rno irradia luz divina, que é absorvida pelos corpos celestes, digerida pelos anjos que extraem os elementos divinos e sagrados para serem usados na Torá e deixam as sobras mundanas e prosaicas para os prazeres físicos do ser humano e os outros habitantes do nosso mundo material.

 

Prazeres materiais são o lixo descartado de delícias celestiais e divinas. O sorvete contém dois componentes da presença divina: a centelha, que é uma radiação não filtrada e absolutamente divina, e a doçura deliciosa física, que é um raio de luz divina atenuado por miríades de véus, filtrações e ocultações.

 

Outra forma de explicar isso é que a rosa – a centelha divina – é incorporada entre os espinhos – os prazeres físicos que não se comparam ao sublime.

 

Elul

As primeiras letras das quatro palavras Ani l'dodi v'dodi li, em hebraico "Eu sou do meu amado e meu amado é para mim", formam um acrônimo para a palavra Elul, o último mês do ano judaico. É um mês de reflexão e introspecção, um mês quando nos preparamos para o Ano Novo.

 

É durante este mês que estamos destinados a discernir a rosa dos espinhos e obter nossas prioridades diretamente4. É durante este tempo que estamos destinados a perceber que nossa fixação no sorvete nos impede de apreciar a centelha divina. É durante este mês que estamos destinados a ilustrar através de nossas ações e arrependimento que o espinho não é um fim em si mesmo, mas apenas um cenário para a rosa.5

 

Comentários sobre: Uma Rosa Entre Espinhos
Não há comentários.