Let's keep in touch!
Want to keep in the loop on the latest happenings at Beit Lubavitch Rio De Janeiro. Subscribe to our mailing list below. We'll send you information that is fresh, relevant, and important to you and our local community.
Impresso de BeitLubavitchRio.org

Os Três Estágios da Criação

Sexta-feira, 05 Outubro, 2018 - 9:57

 Newsletter_clip_image002.jpg

Os Três Estágios da Criação

Bereishit 5779

 

“E D’us disse, que haja ... E houve ... e D’us viu que isso era bom".

Desdobra-se assim o relato mais revolucionário e mais influente da criação na história do espírito humano.

No comentário de Rashi, ele cita o rabino Isaac, que questionou por que motivo a Torá deveria começar com a história da criação.[1] Dado que é um livro de leis ‑ os mandamentos que vinculam os filhos de Israel como nação ‑ deveria ter começado com a primeira lei dada aos israelitas, que somente aparece no décimo segundo capítulo do Êxodo.

A resposta do próprio rabino Isaac foi que a Torá abre com o nascimento do universo para justificar a oferta, o presente, da Terra de Israel para o povo de Israel. O Criador do mundo é ipso facto proprietário e governante do mundo. Sua oferta de presente confere título. A reivindicação do povo judeu à terra é diferente da de qualquer outra nação. Ela não flui de fatos arbitrários de colonização, associação histórica, conquista ou acordo internacional (embora no caso do atual estado de Israel, todos os quatro se apliquem). Segue-se de algo mais profundo: a palavra do próprio D’us ‑ o D’us reconhecido, assinale-se, pelos três monoteísmos: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo. Esta é uma leitura política do capítulo. Permitam-me sugerir outra interpretação (não incompatível, mas adicional).

Uma das proposições mais marcantes da Torá é que somos chamados, como imagem de D’us, a imitar a D’us. “Sê sagrado, porque eu, o Senhor teu D’us, sou santo” (Levítico 19: 2):

 Os sábios ensinaram: “Assim como D’us é chamado de Gracioso, assim seja você gracioso. Assim como Ele é chamado de Misericordioso, então seja você misericordioso. Assim como Ele é chamado Santo, assim seja você santo. ”Assim também os profetas descreveram o Todo-Poderoso por toda uma variedade de atributos: Paciente, Abundante em Bondade, Justo, Reto, Perfeito, Potente e Poderoso e assim por diante - para ensinar nos que essas qualidades são boas e corretas e que um ser humano deve cultivá-las, e assim imitar D’us tanto quanto pudermos. [2]

Implícito no primeiro capítulo de Gênesis há, portanto, um desafio importante: assim como D’us é criativo, seja você criativo. Ao fazer o homem, D’us dotou uma criatura ‑ a única até então conhecida pela ciência ‑ com a capacidade não apenas de se adaptar ao seu ambiente, mas de adaptar seu ambiente a ela; de moldar o mundo; de ser ativa, não meramente passiva, em relação às influências e circunstâncias que a rodeiam:

A existência do bruto é indigna porque é uma existência desamparada. A existência humana é digna porque é uma existência gloriosa, majestosa e poderosa ... Um homem de idade que não podia combater doenças e sucumbia em multidões à febre amarela ou qualquer outra praga com desamparo degradante não podia reivindicar a dignidade. Somente o homem que constrói hospitais, descobre técnicas terapêuticas e salva vidas é abençoado com dignidade... O homem civilizado ganhou controle limitado da natureza e tornou-se, em certos aspectos, seu mestre, e com sua maestria ele alcançou a dignidade também. Seu domínio tornou possível a ele agir de acordo com sua responsabilidade. [3]

 

O primeiro capítulo do Gênesis, portanto, contém um ensinamento. Ele nos diz como ser criativos – a saber, em três etapas. A primeira é a etapa de dizer "Haja". A segunda é a etapa do "e houve". A terceira é a etapa de ver "que é bom".

Mesmo um exame superficial desse modelo de criatividade nos ensina algo profundo e contra-intuitivo: o que é verdadeiramente criativo não é ciência ou tecnologia per si, mas a palavra. É isso que forma todos os seres.

De fato, o que destaca o Homo sapiens entre outros animais é a capacidade de falar. Targum Onkelos traduz a última frase de Gênesis 2:7: “D’us formou o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida, e o homem se tornou um ser vivente”, como “e o homem se tornou ruach memalelá, um espírito falante. ”Porque podemos falar, podemos pensar e, portanto, imaginar um mundo diferente daquele que existe atualmente.

A criação começa com a palavra criativa, a ideia, a visão, o sonho. A linguagem ‑ e com ela a capacidade de lembrar um passado distante e conceituar um futuro longínquo ‑ está no cerne de nossa singularidade como feitos à imagem de D’us. Assim como D’us faz o mundo natural através de palavras (“E D’us disse ... e houve”), assim também fazemos o mundo humano por palavras, e é por isso que o Judaísmo leva as palavras tão a sério: “A vida e a morte estão no poder da língua”, diz o livro de Provérbios (18:21). Já na abertura da Torá, no início da criação, é ilustrada a doutrina judaica da revelação: D’us Se revela à humanidade não no sol, nas estrelas, no vento ou na tempestade, mas nas palavras e através das palavras ‑ palavras sagradas que nos fazem co-parceiros com D’us na obra da redenção.

"E D’us disse, haja ... e houve" ‑ o segundo estágio da criação, é para nós o mais difícil. Uma coisa é conceber uma ideia, outra, é executá-la. “Entre a imaginação e o ato cai a sombra.” [4] Entre a intenção e o fato, o sonho e a realidade, está a luta, a oposição e a falibilidade da vontade humana. É muito fácil, tendo tentado e falhado, concluir que nada em última análise pode ser alcançado, que o mundo é como é, e que todo esforço humano está destinado a terminar em fracasso.

Isso, no entanto, é uma ideia grega, não judaica: que essa impetuosidade termina em ruína, o destino é inexorável e devemos nos resignar a ele. O Judaísmo sustenta o oposto, que embora a criação seja difícil, trabalhosa e carregada de reveses, somos chamados a ela como nossa vocação humana essencial: “Não cabe a você concluir o trabalho”, disse o rabino Tarfon, “mas você também não é livre para desistir dele.”[5] Há uma frase rabínica adorável: machshvá tová HaCadosh Baruch Hu mestarfá lema'assê.

Isso geralmente é traduzido como "D’us considera uma boa intenção como se fosse a ação". Eu traduzo de forma diferente: "Quando um ser humano tem uma boa intenção, D’us se une para ajudar a torná-la um ato", significando: Ele nos dá a força, se não agora, então, eventualmente, para transformá-la em uma realização.

Se o primeiro estágio da criação é a imaginação, o segundo é a vontade. A santidade da vontade humana é uma das características mais distintivas da Torá. Houve muitas filosofias ‑ o nome genérico delas são os determinismos ‑ que sustentam que a vontade humana é uma ilusão. Somos determinados por outros fatores ‑ instinto geneticamente codificado, forças econômicas ou sociais, reflexos condicionados ‑ e a ideia de que somos o que escolhemos ser é um mito. O Judaísmo é um protesto em nome da liberdade e responsabilidade humanas contra o determinismo. Nós não somos máquinas pré-programadas; Somos pessoas dotadas de vontade. Assim como D’us é livre, nós somos livres, e toda a Torá é um chamado à humanidade para exercer uma liberdade responsável na criação de um mundo social que honre a liberdade dos outros. A vontade é a ponte entre “Haja” “e houve”.

O que, no entanto, dizer sobre a terceira etapa: "E D’us viu que era bom"? Este é o mais difícil dos três estágios para entender. O que significa dizer que "D’us viu que era bom"? Certamente, isso é redundante. O que D’us faz que não é bom? O Judaísmo não é Gnosticismo, nem é um misticismo oriental. Nós não acreditamos que este criação do mundo dos sentidos seja mau. Pelo contrário, acreditamos que é a arena da bênção e do bem.

Talvez seja isso que a frase venha nos ensinar: que a vida religiosa não deve ser buscada em retiros afastados do mundo e seus conflitos, para o arrebatamento místico ou o nirvana. D’us quer que façamos parte do mundo, lutando suas batalhas, saboreando sua alegria, celebrando seu esplendor. Mas tem mais.

No decorrer do meu trabalho, visitei prisões e centros para jovens infratores. Muitas das pessoas que conheci eram potencialmente boas. Eles, como você e eu, tinham sonhos, esperanças, ambições, aspirações. Eles não queriam se tornar criminosos. Sua tragédia foi que muitas vezes eles vieram de famílias disfuncionais em condições difíceis. Ninguém teve tempo para cuidar deles, apoiá-los, ensiná-los a negociar o mundo, como conseguir o que eles queriam através do trabalho árduo e persuasão, em vez de violência e violações da lei. Eles não tinham um auto-respeito básico, desconheciam seu próprio valor. Ninguém nunca lhes disse que eles eram bons.

Ver que alguém é bom e dizer isso é um ato criativo - um dos grandes atos criativos. Pode haver alguns indivíduos que são inescapavelmente maus, mas são poucos. Dentro de quase todos nós, existe algo positivo e único, mas que também é facilmente ferido, e que só cresce quando exposto à luz solar do reconhecimento e elogio de outra pessoa. Ver o bem nos outros e deixá-los se ver no espelho de nossa consideração é ajudar alguém a crescer para se tornar o melhor que pode ser. “Maior”, diz o Talmud, “é aquele que faz com que os outros façam o bem do que aquele que ele próprio faz o bem”.[7] Ajudar os outros a se tornarem o que podem ser é dar origem à criatividade na alma de outra pessoa. Isso é feito não por crítica ou negatividade, mas ao buscar o bem nos outros e ajudá-los a vê-lo, reconhecê-lo, possuí-lo e vivê-lo.

“E D’us viu que isso era bom” ‑ isso também faz parte da obra da criação, a mais sutil e bela de todas. Quando reconhecemos a bondade em alguém, fazemos mais do que criá-lo, ajudamos a torná-lo criativo. É isso que D’us faz por nós e o que Ele nos chama a fazer pelos outros.

Shabat Shalom,

----------

[1] Rashi 1: 1

[2] Maimônides, Mishnê Torá, Hilkhot Deot 1: 6.

[3] Joseph B. Soloveitchik, The Lonely Man of Faith (O Homem Solitário da Fé) (Nova York: Doubleday, 1992), 16-17.

[4] T.S. Eliot, "The Hollow Men", em T.S. Eliot, Collected Poems 1909-1962 (Londres: Faber e Faber, 1963), p92.

[5] Mishná, Avot 2:16.

[6] Tosefta, Pe’ah 1:4.

[7] Bava Batra 9a.

Comentários sobre: Os Três Estágios da Criação
Não há comentários.