Want to keep in the loop on the latest happenings at Beit Lubavitch Rio De Janeiro. Subscribe to our mailing list below. We'll send you information that is fresh, relevant, and important to you and our local community.
Impresso de BeitLubavitchRio.org

Abandonando o ódio

Quinta-feira, 12 Setembro, 2019 - 16:54

 

Abandonando o Ódio

Rabino Jonathan Sacks

 

Chief Rabbi Lord Jonathan SacksRabino Chefe Lord Jonathan Sacks

A escuridão não pode expulsar a escuridão: somente a luz pode fazer isso. O ódio não pode expulsar o ódio: somente o amor pode fazer isso. O ódio multiplica o ódio, a violência multiplica a violência e a resistência multiplica a resistência. . .

Martin Luther King

Imagino que uma das razões pelas quais as pessoas se apegam tanto aos seus ódios é porque sentem que, depois que o ódio se for, serão forçadas a lidar com a dor.

James Arthur Baldwin

Há um verso em Ki Teitsê extremamente significativo em suas implicações. E distingui-lo não é tarefa fácil, uma vez que aparece no meio de uma série de leis diversas sobre herança, filhos rebeldes, animais sobrecarregados, violações de casamento e escravos em fuga. Sem nenhuma ênfase ou preâmbulo especial, Moisés entrega um comando tão contra-intuitivo que precisamos lê-lo duas vezes para garantir que o tenhamos ouvido corretamente:

Não odeie um edomita, porque ele é seu irmão.

Não odeie um egípcio, porque você foi um estrangeiro em sua terra.[1]

O que isso significa em seu contexto bíblico? Os egípcios da época de Moisés haviam escravizado os israelitas, "amargurado suas vidas", os submeteram a um regime cruel de trabalho duro e os forçado a comer o pão da aflição. Eles haviam embarcado em um programa de tentativa de genocídio, o Faraó ordenando ao seu povo que jogasse “todo filho [israelita] nascido no rio.” [2]

Agora, quarenta anos depois, Moisés fala como se nada disso tivesse acontecido, como se os israelitas devessem aos egípcios uma dívida de gratidão por sua hospitalidade. No entanto, ele e o povo estavam onde estavam apenas porque estavam fugindo da perseguição egípcia. Ele tampouco queria que as pessoas esquecessem. Pelo contrário, ele lhes disse que recitassem a história do Êxodo todos os anos, como ainda fazemos em Pessach, reencenando-a com ervas amargas e pão sem fermento, para que a memória fosse transmitida a todas as gerações futuras. Se você quer preservar a liberdade, ele afirma, nunca esqueça como é perdê-la. No entanto, aqui, nas margens do Jordão, dirigindo-se à próxima geração, ele diz ao povo: "Não odeie um egípcio". O que está acontecendo neste versículo?

Para ser livre, você precisa abandonar o ódio. É isso que Moisés está dizendo. Se eles continuassem a odiar seus inimigos antigos, Moisés teria tirado os israelitas do Egito, mas não teria tirado o Egito dos israelitas. Mentalmente, eles ainda estariam lá, escravos do passado. Eles ainda estariam acorrentados, não por metal, mas pela mente — e as correntes da mente são as mais restritivas de todas.

Você não pode criar uma sociedade livre com base no ódio. Ressentimento, raiva, humilhação, senso de injustiça, desejo de restaurar a honra ao infligir ferimentos a seus ex-perseguidores — essas são condições de uma profunda falta de liberdade. Você deve viver com o passado, reafirma Moisés, mas não no passado. Aqueles que são tomados de raiva contra seus ex-perseguidores ainda são cativos. Aqueles que deixam seus inimigos definirem quem são, ainda não alcançaram a liberdade.

Os livros mosaicos referem-se repetidas vezes ao Êxodo e ao imperativo da memória: "Vocês devem se lembrar que foram escravos no Egito". No entanto, isso nunca é invocado como motivo de ódio, retaliação ou vingança. Sempre aparece como parte da lógica da sociedade justa e compassiva que os israelitas são ordenados a criar: a ordem alternativa, a antítese do Egito. A mensagem implícita é: limite a escravidão, pelo menos no que diz respeito ao seu próprio povo. Não os submeta a trabalhos forçados. Dê-lhes descanso e liberdade a cada sétimo dia. Solte-os a cada sétimo ano. Reconheça-os como você, não ontologicamente inferior. Ninguém nasceu para ser escravo.

Dê generosamente aos pobres. Que comam das sobras da colheita. Deixe a eles um canto do campo. Compartilhe suas bênçãos com os outros. Não prive as pessoas de seus meios de subsistência. Toda a estrutura da lei bíblica está enraizada na experiência da escravidão no Egito, como se dissesse: você sabe em seu coração como é ser vítima de perseguição, portanto, não persiga outros.

A ética bíblica é baseada em atos repetidos de inversão de papéis, usando a memória como força moral. Em Êxodo e Deuteronômio, somos ordenados a usar a memória não para preservar o ódio, mas para conquistá-lo, lembrando como é ser sua vítima. "Lembre-se" - não para viver no passado, mas para impedir a repetição do passado.

Somente assim podemos entender um detalhe inexplicável na própria história do Êxodo. No primeiro encontro de Moisés com D'us na sarça ardente, ele é encarregado da missão de levar o povo à liberdade. D'us acrescenta uma passagem estranha:

Farei com que os egípcios estejam dispostos favoravelmente a esse povo, para que, quando vocês saírem, não fiquem de mãos vazias. Toda mulher deve pedir à sua vizinha e a toda mulher que mora em sua casa artigos de prata e ouro e roupas, que vocês vestirão sobre seus filhos e filhas.[3]

O argumento é repetido duas vezes em capítulos posteriores.[4] No entanto, é totalmente contrário à essência da narrativa bíblica. De Gênesis[5] ao livro de Ester[6], tomar despojos, espólios e saques dos inimigos é desaprovado. No caso dos idólatras, é estritamente proibido: suas propriedades são cherem, tabus, para serem destruídas, e não possuídas.[7] Quando, nos dias de Josué, Achan tomou despojos das ruínas de Jericó, toda a nação foi punida. Além do mais, o que aconteceu com o ouro? Os israelitas acabaram por usá-lo para fazer o bezerro de ouro. Por que, então, era importante — ordenado — que, nessa ocasião, os israelitas pedissem presentes aos egípcios?

A própria Torá fornece a resposta em uma lei posterior de Deuteronômio sobre a libertação de escravos:

Se um companheiro hebreu, um homem ou uma mulher, se vender a você e lhe servir seis anos, no sétimo ano você deve deixá-lo ir livre. Quando você soltá-lo, não o mande embora de mãos vazias. Proveja-o liberalmente do seu rebanho, dos seus grãos e do seu vinho. Dê a ele tal qual o Senhor, seu D'us, o abençoou. Lembre-se de que você foi escravo no Egito, e o seu D’us o redimiu. É por isso que Eu lhe dou esse comando hoje.[8]

A escravidão precisa de "fechamento narrativo". Para adquirir liberdade, um escravo deve poder sair sem sentimentos de antagonismo contra o seu antigo mestre. Ele não deve partir carregado de um sentimento de queixa ou raiva, humilhação ou desprezo. Se ele o fizesse, teria sido libertado, mas não liberado. Fisicamente livre, mentalmente ele ainda seria um escravo. A insistência em presentes de despedida representa o insight psicológico da Bíblia sobre o dano persistente da servidão. Deve haver um ato de generosidade por parte do senhor, para que o escravo vá embora sem má vontade. A escravidão deixa uma cicatriz na alma que deve ser curada.

Quando D'us ordenou a Moisés que dissesse aos israelitas que aceitassem presentes dos egípcios, é como se Ele estivesse dizendo: Sim, os egípcios os escravizaram, mas isso está prestes a se tornar o passado. Precisamente porque quero que você se lembre do passado, é essencial que você o faça sem ódio ou desejo de vingança. O que você deve se lembrar é a dor de ser escravo, não a raiva que sente contra seus antigos mestres. Deve haver um ato de fechamento simbólico. Isso não pode ser justiça no sentido mais amplo da palavra: essa justiça é uma quimera e o desejo por ela é insaciável e autodestrutivo. Não há como restaurar os mortos à vida ou recuperar os anos perdidos de liberdade. Mas também não se pode negar o passado, excluindo-o do banco de dados de memória. Se eles tentarem fazê-lo, acabará por voltar — o "retorno dos reprimidos" de Freud — e reivindicará um preço terrível na forma de vingança altruísta e altiva. Portanto, o ex-proprietário de escravos deve dar um presente ao ex-escravo, reconhecendo-o como um ser humano livre que contribuiu, embora sem escolha, para o seu bem-estar. Isso não é um ajuste de contas. É, antes, uma forma mínima de restituição, do que hoje é chamado de "justiça restaurativa".

O ódio e a liberdade não podem coexistir. Um povo livre não odeia seus antigos inimigos; se isso acontecer, ainda não está pronto para a liberdade. Para criar uma sociedade que não persegue as pessoas tomando pessoas que foram perseguidas, você precisa quebrar as correntes do passado; tirar a dor da sua picada da memória; sublimar a dor em energia construtiva e a determinação de construir um futuro diferente.

A liberdade envolve o abandono do ódio, porque o ódio é a abdicação da liberdade. É a projeção de nossos conflitos sobre uma força externa a quem podemos culpar, mas apenas ao custo de negar responsabilidade. Essa foi a mensagem de Moisés para aqueles que estavam prestes a entrar na terra prometida: que uma sociedade livre só pode ser construída por pessoas que aceitam a responsabilidade da liberdade, sujeitos que se recusam a se ver como objetos, pessoas que se definem por amor a D’us, não ódio ao outro.

"Não odeiem um egípcio, porque vocês foram estrangeiros em sua terra", disse Moisés, significando: Para ser livre, você precisa deixar ir embora o ódio.

Por Rabino Jonathan Sacks

O rabino Lord Jonathan Sacks é um líder religioso internacional, filósofo e voz moral respeitada. Autor de mais de 30 livros, Rabino Sacks recebeu vários prêmios em reconhecimento ao seu trabalho, incluindo o Prêmio Templeton de 2016. Ele recebeu 18 doutorados honorários, foi condecorado por Sua Majestade a Rainha em 2005 e fez um Life Peer, tomando assento na Câmara dos Lordes em outubro de 2009. Ele serviu como Rabino Chefe das Congregações Hebraicas Unidas da Commonwealth de 1991 a 2013. Para ler mais escritos e ensinamentos do Lord Rabino Jonathan Sacks, visite www.rabbisacks.org.

Mais do R. Jonathan Sacks  |  RSS

© Copyright, todos os direitos reservados. Se você gostou deste artigo, recomendamos que você o distribua ainda mais, desde que cumpra a política de direitos autorais do Chabad.org.

NOTAS



[1] Deuteronômio 23: 8.

[2] Êxodo 1:22.

[3] Êxodo 3: 21–22.

[4] Ibid. 11: 2; 12:35.

[5] 14:23.

[6] 9:10, 15, 16.

[7] Deuteronômio 7:25; 13:16.

[8] Deuteronômio 15: 12–15.

Comentários sobre: Abandonando o ódio
Não há comentários.