Want to keep in the loop on the latest happenings at Beit Lubavitch Rio De Janeiro. Subscribe to our mailing list below. We'll send you information that is fresh, relevant, and important to you and our local community.
Impresso de BeitLubavitchRio.org

O anjo que não sabia que era um anjo (Vayeshev 5780)

Sexta-feira, 20 Dezembro, 2019 - 6:26

 

O anjo que não sabia que era um anjo (Vayeshev 5780)

Rabino Lord Jonathan Sacks

anjo.png

1: Eddie Jacobson (à esquerda), com seu amigo, ex-presidente Harry S. Truman

2: Dorothy de Rothschild falando em um comício político, c. 1945

A história de Yossef e seus irmãos, espalhada por quatro parashiot, é a mais longa e a mais bem descrita de todas as narrativas da Torá. Nada está lá por acaso; cada detalhe conta. Um momento, no entanto, parece gloriosamente irrelevante – e é justamente nele que há uma das mais belas ideias da Torá.

Com grande velocidade, somos apresentados às linhas gerais da história. Yossef é invejado e odiado por seus irmãos. Tão profunda era a animosidade que eles não podiam conversar pacificamente um com o outro. Agora os irmãos saíram de casa para cuidar de suas ovelhas, e Yaakov diz a Yossef para ir e ver como eles estão. Esse encontro desencadeará o drama central do qual tudo se seguirá: o momento em que os irmãos venderão Yossef ao Egito como escravo.

Mas isso quase não aconteceu. Yossef chegou a Shechem, onde esperava que seus irmãos estivessem, mas eles não estavam lá. Ele poderia ter andado por um tempo e depois, não conseguindo encontrá-los, voltado para casa. Nenhum dos eventos que ocupam o restante da Torá teria acontecido: nem Yossef, o escravo, nem Yossef, o vice-rei, nenhum armazenamento de comida durante os anos de abundância, nenhuma descida da família de Yossef ao Egito, nenhum exílio, nenhuma escravidão, sem êxodo. A história inteira – já revelada em linhas gerais a Avraham em uma visão noturna – parecia prestes a ser descarrilada. Então lemos o seguinte:

Um homem encontrou [Yossef] vagando pelos campos e perguntou-lhe: “O que você está procurando?” Ele respondeu: “Estou procurando meus irmãos. Você pode me dizer onde eles estão pastando seus rebanhos? - Eles partiram daqui – respondeu o homem. "Eu os ouvi dizer: 'Vamos a Dothan'." Então Yossef foi atrás de seus irmãos e os encontrou perto de Dothan. (Gên. 37:15-17)

Não conheço nenhuma passagem comparável na Torá: três versos dedicados a um detalhe aparentemente trivial e essencialmente esquecível de alguém ter que pedir instruções a um estranho. Quem era esse homem sem nome? E que mensagem concebível o episódio guarda para as gerações futuras, para nós? Rashi diz que ele era o anjo Gabriel. Ibn Ezra diz que era um transeunte. Ramban, no entanto, diz que "o Santo, bendito seja Ele, enviou-lhe um guia sem seu conhecimento".

Não tenho certeza se Ramban quis dizer sem o conhecimento de Yossef ou sem o conhecimento do guia. Eu prefiro pensar em ambos. O homem anônimo – assim a Torá está insinuando – representou uma intrusão de providência para garantir que Yossef fosse para onde deveria estar, para que o resto do drama pudesse se desenrolar. Ele pode não saber que ele tinha esse papel. Yossef certamente não sabia. Para colocar da maneira mais simples possível: ele era um anjo que não sabia que era um anjo. Ele teve um papel vital na história. Sem ele, isso não teria acontecido. Mas ele não tinha como saber, na época, o significado de sua intervenção.

A mensagem não pôde ser mais significativa. Quando o céu pretende que algo aconteça e parece impossível, às vezes envia um anjo à terra – um anjo que não sabia que ele era um anjo – para mover a história daqui para lá. Deixe-me contar a história de dois desses anjos, sem os quais talvez não haveria um Estado de Israel hoje.

Uma delas era uma jovem notável de uma família sefardita que, aos dezessete anos, casou-se com a família Ashkenazi mais famosa do mundo. O nome dela era Dorothy Pinto; seu marido era James de Rothschild, filho do grande Barão Edmond de Rothschild, que fez muito para apoiar o assentamento da terra nos dias anteriores à proclamação do Estado.

Uma conjuntura crítica ocorreu durante a Primeira Guerra Mundial que acabaria por levar à derrota do Império Otomano e à colocação da Palestina sob mandato britânico. De repente, a Grã-Bretanha tornou-se absolutamente central para o sonho sionista. Uma figura-chave do movimento sionista, Chaim Weizmann, estava na Grã-Bretanha, experimentando e dando aulas de química na Universidade de Manchester. Mas Weizmann era um imigrante russo, não um membro proeminente da sociedade britânica. Manchester não era Londres. Química não era política. A família judia mais influente e bem relacionada eram os Rothschilds. Mas Edmond estava na França. James era um soldado no campo de batalha. E ademais, nem todo membro dos Rothschilds britânicos era sionista.

Nesse momento, Dorothy de repente assumiu um papel de liderança. Ela tinha apenas dezenove anos quando conheceu Weizmann em dezembro de 1914 e compreendeu muito pouco das complexidades políticas envolvidas na realização do sonho sionista. Mas ela aprendeu rapidamente. Ela era perspicaz, engenhosa, enérgica, encantadora e determinada. Ela conectou Weizmann a todos que ele precisava conhecer e convencer. Simon Schama, em seu relato definitivo de Two Rothschilds and the Land of Israel (Dois Rothschilds e a Terra de Israel), diz que “jovem como ela era ... ela combinou charme, inteligência e mais do que uma sugestão de resolução de aço na mistura certa para persuadir e transformar o vago em compromisso, o morno em entusiasmo e indiferença em simpatia.”

Seu julgamento sobre o efeito de suas intervenções é que "por meio da diplomacia social incansável, porém prudente, ela conseguiu abrir caminhos de influência e persuasão em um momento em que eram extremamente necessários". [1] O resultado, em 1917, foi a Declaração de Balfour, um marco na história do sionismo – e não devemos esquecer que a própria Declaração assumiu a forma de uma carta a Lord (Walter) Rothschild.

O marido de Dorothy, James, em seu testamento, deixou seu dinheiro para construir o Knesset, o prédio do parlamento de Israel. Em seu próprio testamento, Dorothy deixou o dinheiro para construir um novo edifício da Suprema Corte, um projeto realizado por seu sobrinho Jacob, o atual Lord Rothschild. Mas de todas as coisas que ela realizou, as conexões que ela fez para Chaim Weizmann nos anos de 1914 a 1917 certamente foram as mais importantes. Sem elas, poderia não ter havido Declaração de Balfour nem Estado de Israel.

A outra figura, que não poderia ser menos parecida com Dorothy de Rothschild, foi Eddie Jacobson. Filho de imigrantes judeus pobres, nascido no Lower East Side de Nova York, ele se mudou com sua família para Kansas City, onde conheceu um jovem chamado Harry Truman. Eles se conheceram na juventude e se aproximaram em 1917, quando passaram por treinamento militar juntos. Após o fim da Primeira Guerra Mundial, eles abriram um negócio de armarinho juntos. Faliu em 1922 por causa da recessão.

A partir de então, seguiram caminhos separados, Jacobson como vendedor ambulante e Truman sucessivamente como administrador do condado, senador, vice-presidente e depois quando F.D. Roosevelt morreu no cargo em 1945, Presidente dos Estados Unidos. Apesar de suas diferentes trajetórias de vida, os dois permaneceram amigos, e Jacobson costumava visitar Truman, conversando com ele sobre, entre outras coisas, sobre o destino dos judeus europeus durante o Holocausto.

Após a guerra, a posição da América em relação ao Estado de Israel era profundamente ambivalente. O Departamento de Estado se opôs. O próprio Truman se recusou a conhecer Chaim Weizmann. Em 13 de março de 1948, Jacobson foi à Casa Branca e convenceu Truman a mudar de ideia e conhecer Weizmann. Em grande parte como resultado disso, os Estados Unidos se tornaram a primeira nação a conceder reconhecimento diplomático a Israel em 14 de maio de 1948.

Muitos anos depois, Truman escreveu:

Um dos momentos de maior orgulho da minha vida ocorreu às 18h12. na sexta-feira, 14 de maio de 1948, quando pude anunciar o reconhecimento do novo Estado de Israel pelo governo dos Estados Unidos. Continuo particularmente satisfeito com o papel que tive a sorte de desempenhar no nascimento de Israel como, nas palavras imortais da Declaração de Balfour, "um lar nacional para o povo judeu".

Duas pessoas, Dorothy de Rothschild e Eddie Jacobson, apareceram no cenário da história e conectaram Chaim Weizmann com indivíduos que, de outra forma, ele não conheceria, entre eles Arthur Balfour [2] e Harry Truman. Eles eram como o estranho que ligou Yossef e seus irmãos, mas com consequências infinitamente mais positivas. Penso nos dois como anjos que não sabiam que eram anjos.

Talvez isso seja verdade não apenas sobre o destino das nações, mas também sobre cada um de nós em momentos críticos de nossas vidas. Acredito que há momentos em que nos sentimos perdidos e alguém diz ou faz algo que nos eleva ou aponta o caminho para uma nova direção e destino. Anos depois, olhando para trás, vemos o quão importante foi a intervenção, embora parecesse trivial na época. É quando sabemos que também encontramos um anjo que não sabia que ele era um anjo. É disso que trata a história do estranho de Yossef.

Shabat Shalom

[1] Simon Schama, Two Rothschilds and the Land of Israel (Dois Rothschilds e a Terra de Israel), Collins, 1978, 196-98.

[2] Weizmann já havia conhecido Arthur Balfour, mas sem Dorothy ele não teria a influência que acabou por ter sobre todo um círculo de políticos importantes.

Comentários sobre: O anjo que não sabia que era um anjo (Vayeshev 5780)
Não há comentários.