Want to keep in the loop on the latest happenings at Beit Lubavitch Rio De Janeiro. Subscribe to our mailing list below. We'll send you information that is fresh, relevant, and important to you and our local community.
Impresso de BeitLubavitchRio.org

Família, Fé e Liberdade

Sexta-feira, 10 Janeiro, 2020 - 0:39

 

Família, Fé e Liberdade (Vayechi 5780)

Rabino Lord Jonathan Sacks

texto.jpg

Se você quiser entender do que se trata um livro, observe atentamente como ele termina. Gênesis termina com três cenas profundamente significativas.

Primeiro, Yaakov abençoa seus netos, Efraim e Menashé. Esta é a bênção com que os pais judeus costumam abençoar seus filhos na sexta-feira à noite. Meu antecessor, Lord Jakobovits, costumava perguntar: por que essa bênção de todas as bênçãos da Torá? Ele deu uma bela resposta. Ele disse que todos as outras bênçãos são de pais para filhos – e entre pais e filhos pode haver tensão. As bênçãos de Yaakov a Efraim e Menashé são o único exemplo na Torá de um avô que abençoa um neto. E entre avós e netos não há tensão, apenas amor puro.

Segundo, Yaakov abençoa seus doze filhos. Há tensão discernível aqui. Suas bênçãos para os três filhos mais velhos, Reuven, Shimon e Levi, parecem mais maldições do que bênçãos. No entanto, o fato é que ele está abençoando todos os doze juntos na mesma sala ao mesmo tempo. Nós não vimos isso antes. Não há registro de Avraham abençoando Ishmael ou Ytschak. Ytschak abençoa Essav e Yaakov separadamente. O mero fato de que Yaakov é capaz de reunir seus filhos é sem precedentes e importante. No próximo capítulo – o primeiro do Êxodo – os israelitas são, pela primeira vez, descritos como um povo. É difícil ver como eles poderiam viver juntos como um povo se não pudessem viver juntos como uma família.

Terceiro, após a morte de Yaakov, os irmãos pediram a Yossef que os perdoasse, o que ele faz. Ele também havia feito isso antes. Evidentemente, os irmãos abrigavam a suspeita de que ele estaria apenas aguardando seu tempo até a morte do pai, como Essav a certa altura decidira fazer. Os filhos não se vingam da família enquanto o pai está vivo – esse parece ter sido o princípio naqueles dias. Yossef fala diretamente aos seus medos e os tranquiliza. "Vocês pretendiam me prejudicar, mas D’us pretendeu isso para o bem", diz ele.

A Torá está nos dizendo uma mensagem inesperada aqui: a família é anterior a tudo, à terra, à nação, à política, à economia, à busca do poder e ao acúmulo de riqueza. Do ponto de vista externo, a impressionante história é que Yossef alcançou o auge do poder no Egito, os próprios egípcios lamentaram a morte de seu pai Yaakov e acompanharam a família a caminho de enterrá-lo, de sorte que os cananeus, vendo a comitiva dissessem: “Os egípcios estão realizando uma cerimônia solene de luto” (Gênesis 50:11). Mas isso é externalidade. Quando viramos a página e começamos o livro de Êxodo, descobrimos que a posição dos israelitas no Egito era muito vulnerável e todo o poder que Yossef centralizou nas mãos do Faraó acabaria sendo usado contra eles.

Gênesis não tem a ver com poder. É sobre famílias. Porque é aí que a vida juntos começa.

A Torá não afirma que seja haja algo fácil formar e sustentar uma família. Os patriarcas e matriarcas – Sará, Rivká e Rachel especialmente – conhecem a agonia da infertilidade. Elas sabem o que é esperar na esperança e esperar novamente.

A rivalidade entre irmãos é um tema repetido do livro. O Salmo nos diz “quão bom e quão agradável é que os irmãos morem juntos”. Poderia ter acrescentado “e quão raro”. Quase no início da história humana, Cain mata Hevel. Há tensões entre Sará e Hagar que levam Hagar e Ishmael a serem mandados embora. Há rivalidade entre Yaakov e Essav, e entre Yossef e seus irmãos, em ambos os casos chegando perto do assassinato.

No entanto, não há diminuição do significado da família. Pelo contrário, é o principal veículo de bênção. As crianças são essenciais para a bênção de D’us, não menos que o presente da terra. É como se a Torá estivesse nos dizendo, com grande honestidade, que, sim, as famílias são desafiadoras. O relacionamento entre marido e mulher, e entre pais e filhos, raramente é direto. Mas temos que trabalhar nisso. Não há garantia de que sempre acertaremos. Não está claro que os pais de Gênesis sempre acertaram. Mas esta é a nossa instituição mais humana.

A família é onde o amor traz uma nova vida ao mundo. Isso por si só a torna a mais espiritual de todas as instituições. É também onde temos nossa educação moral mais importante e duradoura. Para citar o cientista político de Harvard, o falecido James Q. Wilson, a família é "uma arena na qual os conflitos ocorrem e devem ser gerenciados". As pessoas da família "amam e brigam, compartilham e ficam de mau humor, favorecem e decepcionam". Famílias, ele diz, "são o mundo em que moldamos e gerenciamos nossas emoções".[1]

A Torá nos guia por áreas que foram identificadas no século 20 como as arenas mais importantes de conflito. Freud viu o Complexo de Édipo – o desejo de criar espaço para si mesmo removendo seu pai – como um dos principais impulsionadores da emoção humana. René Girard via a rivalidade entre irmãos como uma, talvez a, fonte de violência humana.[2]

Já argumentei que a história da Amarração de Ytschak é dirigida precisamente ao Complexo de Édipo. D’us não quer que Avraham mate Ytschak. Ele quer que ele renuncie à propriedade de Ytschak. Ele quer abolir uma das crenças mais difundidas do mundo antigo, conhecida no direito romano como o princípio de Patria potestas, de que os pais são donos de seus filhos. Depois que isso é superado, e as crianças se tornam personalidades legais por si mesmas, grande parte da força do Complexo de Édipo é removida. As crianças têm espaço para serem elas mesmas.

Também já argumentei que a história da luta de Yaakov com o anjo é dirigida contra a fonte da rivalidade entre irmãos, ou seja, o desejo mimético, o desejo de ter o que seu irmão tem porque ele o possui. Yaakov se torna Israel quando deixa de querer ser Essav e, em vez disso, permanece alto como ele próprio.

Portanto, o Gênesis não é um hino à virtude das famílias. É um relato sincero, honesto e completo do que é enfrentar alguns dos principais problemas nas famílias, até os melhores.

O Gênesis termina nessas três importantes resoluções: primeiro, que os avós fazem parte da família e que suas bênçãos são importantes. Segundo, Yaakov mostra que é possível abençoar todos os seus filhos, mesmo que você tenha um relacionamento fraturado com alguns deles. Terceiro, Yossef mostra que é possível perdoar seus irmãos, mesmo que eles tenham causado um grande dano a você.

Uma das minhas lembranças mais vívidas dos meus primeiros dias como estudante era ouvir as Palestras Reith da BBC em 1967. As Palestras Reith são a série de transmissão mais prestigiada da BBC: o primeiro a proferi-las foi Bertrand Russell em 1948. Em 1967, o palestrante foi o professor de antropologia de Cambridge, Edmund Leach. Tive o privilégio de ministrar essas palestras em 1990.

Leach chamou suas palestras de A Runaway World? (Um Mundo em Fuga?), E em sua terceira palestra ele proferiu uma frase que me fez sentar e prestar atenção. “Longe de ser a base da boa sociedade, a família, com sua estreita privacidade e segredos de mau gosto, é a fonte de todos os nossos descontentamentos.”[3] Foi um sinal importante de que a família estava prestes a ser destronada, em favor da libertação sexual e auto-expressão. Raramente uma instituição tão importante foi abandonada tão completamente e tão levianamente.

Nas décadas seguintes, em muitas partes da sociedade, a coabitação substituiu o casamento. Menos pessoas se casavam, mais pessoas se casavam mais tarde e mais se divorciavam. A certa altura, 50% dos casamentos na América e na Grã-Bretanha estavam terminando em divórcio. E 50% das crianças estavam nascendo fora do casamento. O número atual para a Grã-Bretanha é de 42%.

As consequências foram generalizadas e devastadoras. Para dar um exemplo, a taxa de natalidade na Europa hoje está muito abaixo da taxa de reposição. Uma taxa de fertilidade de 2,1 (o número médio de filhos nascidos por mulher da população) é necessária para uma população estável. Nenhum país da Europa tem essa taxa. Na Espanha, Itália, Portugal e Grécia, caiu para 1,3. A média geral é de 1,6. A Europa está mantendo sua população apenas pela imigração em uma escala sem precedentes. Esta é a morte da Europa como a conhecíamos.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, uma parte significativa da população vive em bairros com poucas famílias intactas, crianças desfavorecidas, bairros degradados, escolas pobres, poucas instalações sociais e uma falta desesperada de esperança. Isto, para setores da América, é o fim do sonho americano.[4]

Pessoas que olham para o estado, política e poder, como provedores do bom, do belo e do verdadeiro – a tradição helenística – tendem a considerar a família e todos os seus pressupostos em termos de fidelidade e responsabilidade como uma distração. Mas para pessoas que entendem não apenas a importância da política, mas também suas limitações e perigos, os relacionamentos entre marido e mulher, pais e filhos, avós e netos e irmãos são a base mais importante da liberdade. Essa é uma visão que perpassa todo o Democracy in America de Alexis de Tocqueville, resumida em sua declaração de que "enquanto o sentimento de família era mantido vivo, o oponente da opressão nunca estava sozinho."[5]

James Q. Wilson colocou de uma maneira bonita: “Nós aprendemos a lidar com as pessoas deste mundo porque aprendemos a lidar com os membros de nossa família. Aqueles que fogem da família fogem do mundo; Sem o carinho, a tutela e os desafios do primeiro, eles não estão preparados para os testes, julgamentos e demandas do último.”[6]

Surpreendentemente, é disso que trata o Gênesis. Não sobre a criação do mundo, que ocupa apenas um capítulo, mas sobre como lidar com conflitos familiares. Assim que os descendentes de Avraham podem criar famílias fortes, eles podem mudar de Gênesis para Êxodo e nascer como nação.

Eu acredito que a família é o berço da liberdade. Cuidando um do outro, aprendemos a cuidar do bem comum.

Shabat shalom

 

[1] James Q. Wilson, The Moral Sense, Free Press, 1993, 162.

[2] Rene Girard, Violence and the Sacred (Violência e o Sagrado), Johns Hopkins University Press, 1977.

[3] Edmund Leach, A Runaway World?, Oxford University Press, 1967.

[4] Esta é a tese de dois livros importantes: Charles Murray, Coming Apart, Crown Forum, 2012, e Robert Putnam, Our Kids, Simon & Schuster, 2015. Veja também Yuval Levin, The Fractured Republic, Basic Books, 2016.

[5] Democracy in America, 340.

[6] The Moral Sense, 163.

Comentários sobre: Família, Fé e Liberdade
Não há comentários.